Arquivos Aeronáuticos no Google+

O CARRO À JATO (BRITÂNICO)

Carro a jato usa turbina de avião e motor de F-1 para desenvolver 80 mil cavalos

Longa-vida (ainda que improvável) aos projetistas malucos. Um consórcio britânico está desenvolvendo o carro-foguete Bloodhound SSC. Sim, não é um carro movido a turbina de avião. É com um foguete de potência equivalente a 80 mil cavalos que o comandante Andy Green tentará bater o recorde de velocidade em terra firme até 2014. O mais interessante é um sistema de propulsão triplo, já que o “carro/nave” também possui um jato de avião militar e um motor de Fórmula 1.


Vamos por partes, como diria a célebre figura britânica Jack Estripador. Para atingir nada modestas 300 milhas por hora, o Bloodhound usará sua turbina herdada de um Eurofighter Typhoon. Aí chega a hora da coisa ficar séria e Green deverá acionar o foguete, que também possui peculiaridades interessantes para ultrapassar as 1.000 mph.

A tecnologica do Bloodhound utiliza um estágio líquido e outro sólido para explodir o combustível. Peróxido de hidrogênio é bombeado por um catalisador e decomposto em água e oxigênio, que acaba sendo empurrado para fora como vapor superaquecido, derretendo um material emborrachado que se torna o combustível e acaba queimando com o próprio oxigênio da mistura. Quando mais Green abrir a válvula, mais mistura e mais propulsão.

O problema, contudo, é que nenhuma bomba de combustível do mercado consegue injetar comida suficiente para o ávido foguetão. A solução foi criar uma a partir de um motor de Fórmula 1. Exato! Um Cosworth com mais de 750 cavalos gira a 18 mil rpm exclusivamente para mandar mistura de foguete para dentro do sistema e garantir a alimentação do monstro.


A primeira fase de testes do motor foi concluída neste mês e inclusive ganhou vídeo (acima). Agora, os britânicos trabalham na aerodinâmica da carroceria, que gerou muita dor de cabeça. Os primeiros modelos de computador indicaram que, ao se aproximar de velocidades supersônicas, o Bloodhound gerava 11 toneladas de sustentação. Ótimo para um avião em decolagem, letal para algo desprovido de asas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário