Arquivos Aeronáuticos no Google+

RADAR METEOROLÓGICO DIGITAL

Nas aeronaves, as aplicações de sistemas de radar incluem os radares meteorológicos, para evitar colisões seguindo alvo, proximidade do solo e outros sistemas.


Para uso comercial o radar “Weather Radar Systems”, ARINC 708 é o sistema primário de radar do tempo que utiliza um radar de Pulso-Doppler aeronáutico.

Ao contrário do radar de tempo meteorológico, que é definido em ângulos fixos, os radares meteorológicos estão sendo utilizados no nariz das aeronaves. Não somente a aeronave estar se movendo para cima, para baixo, à esquerda e à direita, ela estará rolando também. Para compensar isso, a antena está ligada e calibrada no giroscópio vertical localizado na aeronave. Ao fazer isso, o piloto é capaz de definir um campo ou o ângulo da antena, que permitirá sua estabilização para manter a antena apontada na direção certa, mesmo com manobras de vôo moderadas.

Se o avião estiver voando à baixa altitude, o piloto pode querer definir o radar em um ângulo elevado acima da linha do horizonte, para que o desnível do solo não seja exibido no indicador de posição de plano do radar (PPI).

Existem dois sistemas principais quando se fala sobre o receptor/transmissor: o primeiro é o sistema de alta potência, e o segundo são os sistemas de baixa potência, os quais operam na faixa de freqüência de banda X (8.000 a 12.500 MHz). Os níveis dos sistemas de alta potência ficam entre 10.000 e 60.000 watts. Estes sistemas são constituídos de tubos magnéticos hermeticamente embalados a vácuo, mais conhecidos como “Magnetrons”, são bastante caros (cerca de US$ 1.700,00). Permitir uma quantidade considerável de ruído devido a irregularidades com o sistema. Assim, estes sistemas são altamente perigosos para a formação do feixe de arco e não são seguros para serem usados pelo pessoal de terra. No entanto, a alternativa seria um sistema de baixa potência.

Estes sistemas operam entre 100 e 200 watts, e exige uma combinação de receptores de alto ganho. Os microprocessadores de sinal e transistores operam de forma tão eficaz quanto os sistemas de alta potência. Os microprocessadores complexos ajudam a eliminar o ruído, fornecendo uma descrição mais precisa e detalhada do céu. Além disso, uma vez que existem poucas irregularidades em todo o sistema, os radares de baixa potência podem ser usados para detectar a turbulência através do Efeito Doppler. Além disso, esses sistemas de baixa potência operam com a menor potência considerável, são arcos seguros e podem ser usados em praticamente todos os momentos, inclusive no solo.

O sistema de Radar Digital tem a capacidade muito além do que seus antecessores. Os sistemas digitais oferecem agora vigilância de monitoramento de tempestades. Isso proporciona aos usuários a capacidade de adquirir informações detalhadas de cada tempestade e a nuvem a ser rastreada.

CONVENÇÕES USADAS NA AVIAÇÃO

A descrição de retorno do radar meteorológico a pilotos despachantes e controladores de tráfego aéreo será normalmente em três níveis de retorno:

NÍVEL 1 – Corresponde a um retorno verde no radar, indicando precipitação geralmente leve e pouca ou nenhuma turbulência, levando a uma possibilidade de visibilidade reduzida.

NÍVEL 2 – Corresponde a um retorno amarelo no radar, indicando precipitação moderada, levando à possibilidade de visibilidade muito baixa, turbulência moderada e uma viagem desconfortável para os passageiros.

NÍVEL 3 – Corresponde a um retorno vermelho no radar, indicando forte precipitação, levando à possibilidade de tempestades e turbulência severa e grave dano estrutural à aeronave.

Aviões devem evitar o nível 2 tanto quando possível, e sempre evitar o nível 3, a menos que sejam especialmente concebidos como avião de pesquisa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário